terça-feira, 8 de outubro de 2013

Boicote ao registro da #Rede: um circo no Planalto Central?

É deveras impressionante o jogo político que tem sido realizado pelo Governo Dilma para evitar uma concorrência com a candidata Marina Silva nas próximas eleições. São manipulações, que de tão baixas, se tornam cômicas e "surpreendentemente" irônicas.
Inicialmente: já era de conhecimento de todos que a #Rede, "partido" liderado por Marina Silva, já trazia bem mais das 492.000 assinaturas necessárias antes mesmo de o "prazo" ameaçar se findar, sendo necessário para se provar isso, apenas acessar o site www.brasilemrede.com.br antes desta loucura por registro. O apoio a sigla era evidente principalmente entre os jovens; Marina estava em segundo lugar nas pesquisas eleitorais, com um apoio enorme em diversas regiões do Brasil. Chega a parecer sem lógica a hipótese de que o partido de uma candidata com o apoio e a ideologia como a da ambientalista em questão não fosse oficializado e outros partidos como os desconhecidos PROS e PEN fossem facilmente registrados.
Outro ponto de vista interessante a se observar é que não se criaram debates sobre legalidades de cartórios para os outros partidos criados em tempo próximo ao da tentativa de registro da #Rede. Além disso, a participação popular que Marina oferecia e continua a oferecer na Rede Sustentabilidade superava muito a pragmática e irrelevante manifestação popular nos partidos comuns.
Desta forma, fica evidente que o não registro da #Rede carrega por trás das cortinas, interesses enormes da bancada petista no congresso atual.  O Governo Dilma, há tempos, já vem sendo vítima da rejeição popular, e Marina Silva ameaçava fortemente a reeleição da presidente. Para completar a bagunça política, hoje li uma notícia dizendo que havia sido aprovado um projeto de lei que restringe benefícios a partidos recém criados... e aí... o que será que motivou isso?
Completando esta análise, eu declaro apoio total a "clandestinização" atual da #Rede (enquanto, claro, não for oficializada), sendo sim, e me orgulhando disso, um ativista deste movimento, tendo eu, Romes, participado, tempos atrás, do Coletivo Pró Partido, no site do Movimento Nova Política, que acabou por dar origem a Rede Sustentabilidade, e sendo assim, eu afirmo sem medo de errar: PT e demais interessados: o Brasil não dorme no ponto!

Romes