terça-feira, 8 de outubro de 2013

Boicote ao registro da #Rede: um circo no Planalto Central?

É deveras impressionante o jogo político que tem sido realizado pelo Governo Dilma para evitar uma concorrência com a candidata Marina Silva nas próximas eleições. São manipulações, que de tão baixas, se tornam cômicas e "surpreendentemente" irônicas.
Inicialmente: já era de conhecimento de todos que a #Rede, "partido" liderado por Marina Silva, já trazia bem mais das 492.000 assinaturas necessárias antes mesmo de o "prazo" ameaçar se findar, sendo necessário para se provar isso, apenas acessar o site www.brasilemrede.com.br antes desta loucura por registro. O apoio a sigla era evidente principalmente entre os jovens; Marina estava em segundo lugar nas pesquisas eleitorais, com um apoio enorme em diversas regiões do Brasil. Chega a parecer sem lógica a hipótese de que o partido de uma candidata com o apoio e a ideologia como a da ambientalista em questão não fosse oficializado e outros partidos como os desconhecidos PROS e PEN fossem facilmente registrados.
Outro ponto de vista interessante a se observar é que não se criaram debates sobre legalidades de cartórios para os outros partidos criados em tempo próximo ao da tentativa de registro da #Rede. Além disso, a participação popular que Marina oferecia e continua a oferecer na Rede Sustentabilidade superava muito a pragmática e irrelevante manifestação popular nos partidos comuns.
Desta forma, fica evidente que o não registro da #Rede carrega por trás das cortinas, interesses enormes da bancada petista no congresso atual.  O Governo Dilma, há tempos, já vem sendo vítima da rejeição popular, e Marina Silva ameaçava fortemente a reeleição da presidente. Para completar a bagunça política, hoje li uma notícia dizendo que havia sido aprovado um projeto de lei que restringe benefícios a partidos recém criados... e aí... o que será que motivou isso?
Completando esta análise, eu declaro apoio total a "clandestinização" atual da #Rede (enquanto, claro, não for oficializada), sendo sim, e me orgulhando disso, um ativista deste movimento, tendo eu, Romes, participado, tempos atrás, do Coletivo Pró Partido, no site do Movimento Nova Política, que acabou por dar origem a Rede Sustentabilidade, e sendo assim, eu afirmo sem medo de errar: PT e demais interessados: o Brasil não dorme no ponto!

Romes

domingo, 30 de junho de 2013

Cura Gay: bom para quem?

São fortes as críticas ao Projeto Cura Gay, do Presidente da Comissão de Direitos Humanos, Sr. Marco Feliciano. O que há é um equívoco enorme quanto a algumas coisas: evangélicos têm apoiado Feliciano simplesmente por motivos religiosos, ou seja, estamos criando uma verdadeira batalha religiosa no Brasil.
Não apoio Marco Feliciano e isso não escondo de ninguém pois não vejo fundo social em suas medidas. Em que um Projeto como o da Cura Gay poderia melhorar a sociedade? Qual o benefício que traria? Eu não consigo responder estas perguntas com outras expressões a não ser "Nenhum, nada". Pelo contrário, a proposta do deputado acaba simplesmente por expandir a homofobia no Brasil, que, caso suas medidas forem aprovadas, poderão simplesmente passar a considerar todos os gays como doentes, o que não é prático e oportuno a melhoria do Brasil.
Sugiro então que o Sr. Feliciano passe a postular medidas interessantes a sociedade, que representem um avanço social. Que tal criar medidas que visem combater o preconceito racial? Que tal campanhas de integração religiosa? Pensemos nas crianças que passam fome. Pensemos nos idosos abandonados em azilos. Pensemos na pobreza que ainda temos em nosso país. Nossa sociedade precisa de prática, e não de guerrinhas pessoais.

Romes Sousa

sexta-feira, 28 de junho de 2013

Revoltas: necessidade, vandalismo: imaturidade

Violência em meio aos manifestos brasileiros em 2013
Todos os noticiários atuais estão destacando, em maior ou menor grau, as revoltas e manifestações contrárias ao aumento das passagens de ônibus.
Destaco a importância destes movimentos, que, digamos sem preocupação, já deviam estar acontecendo a tempos, por diversos motivos. Aliás, uma das causas do aumento da corrupção nacional e do descaso com áreas sociais importantes, como a saúde e a educação é o "corpo mole" feito pelos brasileiros que, ao invés de protestarem verdadeiramente perante as medidas governamentais que desagradam a população, ficam sentados em suas casas fazendo ameaças ignorantes, como "na próxima eleição, vou votar nulo". É de extrema necessidade que manifestemos nossas contrariedades quanto ao sistema, mas estes manifestos devem ser conscientes e convencedores.
Não tem como admitir que vândalos se infiltrem no meio dos manifestantes reais, causando arruaças e pondo em dúvida a seriedade do movimento. É preciso conscientizar a todos que ir para as ruas protestar não é sair para pular carnaval ou assistir jogos da seleção em copa do mundo. Se vamos as ruas, sejamos sérios, objetivos e maduros em nossas reivindicações, pois de imbecilidade nosso país já está cheio.

Romes Sousa

terça-feira, 2 de abril de 2013

Pense de novo - A nossa riqueza

O Brasil é um dos países com maior área verde de todo o planeta. O bioma amazônico, segundo dados, ocupa 49,29% do território brasileiro. No entanto, a riqueza verde que temos parece não mexer com os grandes industriais, que preferem desenvolver suas próprias atividades econômicas do que "explorar" o que já temos.
O termo "explorar" não utilizo no sentido de desmatar, mas sim de investir em pesquisas para a geração de medicamentos e demais tecnologias ecologicamente corretas nas florestas brasileiras.
Com uma indústria farmacêutica desenvolvida, fatalmente o Brasil ganharia profissionais oriundos de outros países e a qualidade das graduações em cursos na área de biológicas cresceria absurdamente. Outras vantagens, além da consequente melhor qualificação profissional, seriam a descentralização industrial e, claro, a preservação das áreas verdes que aqui temos.
Os custos que a indústria verde acarretaria são desprezíveis se comparados aos lucros. A indústria farmacêutica, se bem desenvolvida, atrairia compradores de diferentes partes do globo, podendo levar o Brasil ao status de primeiro mundo.
O que precisamos agora é esperar a boa vontade dos nossos empresários. É preciso abrir os olhos para as riquezas que temos e estamos jogando fora. A sustentabilidade é mais do que uma necessidade contemporânea, é a filosofia de vida que deve imperar no mundo atual.


Romes Sousa
Pulicado em: 01/04/2013 ás 16:00.

quinta-feira, 21 de março de 2013

Pense de novo - Reforma Educacional: Afinal, o que queremos reformar?

Muitos são os que, nos últimos tempos debatem sobre as reformas educacionais no Brasil. Vemos, no entanto, que problemas corriqueiros de nossa sociedade, como violência, preconceito e intolerância, não são resultados apenas do que sai das salas de aula. A visão popular esbarra na existência de um desfalque educacional familiar acentuado.
O desfalque educacional familiar é um problema que se alastra por anos. Os pais, no passado, receberam informações de baixa qualidade, tanto da família, como da escola. O que fazem apenas é repassar o que aprenderam.
O problema educacional brasileiro é um ciclo vicioso gigantesco, cujas raízes estão cravadas no passado. Por isso, a vontade de reformar a educação no Brasil deve, antes de tudo estar baseada na reforma da socialização primária das crianças, ou seja, eduquemos as famílias para depois educarmos os nossos pequeninos. 


Romes Sousa 
Publicado em: 21/03/2013 ás 16:00.

quarta-feira, 20 de março de 2013

Nota Oficial - Parceria Firmada

Página Pensar de novo - facebook.com/pensardenovo
Informo que aceitei, dias atrás, uma parceria com a página "Pense de novo", do facebook, sendo que, a partir do presente momento, estarei publicando corriqueiramente textos de opinião para a análise popular. 
A página "Pense de novo" tem por base levar seus seguidores ao pensar crítico da realidade social, ambiental e cultural em que estamos inseridos, não impondo ideais e ideologias meramente firmadas, mas sim, expondo opiniões e fatos que permitam a reflexão salutar dos fenômenos em nossa sociedade.
Agradeço a página, por abrir esta janela de reflexões. Agradeço a todos aqueles que esperam um Brasil ainda melhor.
Desta forma, peço aos amigos que sigam a página, situada no endereço: www.facebook.com/pensedenovo, para que possam acompanhar em primeira mão os conteúdos reflexivos que lá serão publicados.

*O blog, no entanto, não ficará esquecido, sendo também contemplado com os pensamentos publicados na página.

Romes Sousa

segunda-feira, 18 de março de 2013

Lixão dos Talentos: Superdotação e Reformas Educacionais


-- Postagem do mesmo autor publicada no blog "Gênios Mirins" --

Muito se escreve e muito se lê a cerca do desastre que está a educação pública brasileira. O objetivo desta postagem não é desvirtuar esta ideia, mas sim raciocinar a partir do seguinte dado: estimasse que cerca de 2 milhões de brasileirinhos sejam superdotados. Uma enormidade de crianças estudam em escola pública. Uma enormidade de escolas públicas não oferecem amparo adequado a qualquer desenvolvimento intelectual da criança. E aí, onde fica a superdotação?

Por onde caminha a educação dos superdotados?

Muitas crianças e jovens têm tendência, devido a fatores externos (biológicos) a desenvolverem a superdotação. Porém, de nada adianta a genética se não tivermos a prática. Apenas em contos de fadas vemos crianças que ontem estavam abaixo da espectativa para sua idade se tornarem, do dia para a noite,"pequenos gênios". 
O que estamos vendo é um genocídio da superdotação brasileira. O número de dois milhões não compraz uma realidade. Muitos jovens estão sem ter chances de estudar, de conhecer o mundo e por isso, enterrando seus talentos. A superdotação, antes de tudo é formada a partir de uma percepção, de um estímulo, que, futuramente, gerará o projeto de superdotação. Não estamos dando base para o desenvolvimento dos alto-habilidosos no Brasil.
E a que se deve esta façanha? Aos ciclos viciosos tão presentes em nossa sociedade. Geralmente, a escola nada ensina, tendo em vista que a maioria dos professores de escola pública não se importam com o que seus tutelados realmente aprendem, a família não educa, visto que são pais que também careceram de bagagem anterior, a criança, ao chegar na adolescência, muitas vezes se perde neste nosso mundanismo exarcebado e sujo e lá se foi um possível superdotado.
Precisamos repensar a educação que damos aos alto-habilidosos e as crianças em geral. Dizem que o futuro da nação são os jovens, então qual é o futuro que estamos dando a nação?! Dizem que a educação é a solução dos problemas nacionais, então qual é o amparo que damos aos problemas?! Atualmente, muito se fiz, mas pouco se faz. É preciso fazer mais e dizer menos.
A habilidade nata em muitas crianças se transforma em desastres sociais. A genética da superdotação não determina inteligência intelectual puramente desta forma, mas determina sim, percepção maior sobre os fatos, raciocínio e criatividade mais apurada, entre outros. Se não educarmos a percepção, o raciocínio e a criatividade, poderão estes muito facilmente acabarem por levar a sociedade ao caos. O jovem trabalhará a superdotação com as ferramentas que estiver em mãos. Estamos dando promiscuidade. A criatividade se desenvolve na promiscuidade. Estamos dando lixo. O raciocínio se desenvolve no lixo. Já desvirtuamos diversos superdotados ao longo da história. Será que estamos a procurar um novo Hitler?

Abordagem da Teoria das Reformas Educacionais

Infelizmente, as tão defendidas reformas educacionais não podem se proceder de uma hora para a outra. Fugindo do discurso quase que comunentemente real de que quem tem dinheiro tem medo de criar cidadãos de verdade, notamos que o Brasil por muito tempo investiu em produtos pouco lucrativos a nossa nação. Saímos de uma etapa de exploração de cana de açúcar, passamos pelo ouro, pelo café, mas nunca os investimentos foram destinados a educação qualitária.
Todos os governantes se vangloriam em lotar bibliotecas em escolas públicas. Dinheiro em vão. Os livros que lá estão raramente são usados. Não ensinamos nossos alunos a aprender. Ensinamos nossos alunos a vomitar. Vomitar fórmulas, vomitar conceitos. Não despertamos a razão em nossos alunos, despertamos a rebelião de quem se vê preso a um sistema e, embora tente dele fugir, está amarrado por ferrenhas correntes. Estas correntes são a ignorância. E como rompemos as correntes? Educação. Ensinamentos verdadeiros. Despertar de curiosidade. Apenas isso pode solucionar a educação no Brasil.
Antes de cobrarmos dos professores, devemos doutrinar os pais. Eles são os verdadeiros educadores. Eles são os responsáveis pela socialização primária. Se se educa em casa, a percepção se modifica e até mesmo em um barraco em ruínas, o aprender é possível, pois lá existe vontade.
Está na hora de transformar os discursos em prática. Já é tempo de olharmos a educação com olhos de pais. Pais verdadeiramente brasileiros, que esperam ver no amanhã filhos grandiosos que os orgulhem. O Brasil não é lixo. Nossa educação não é lixo. Deixemos as mesmisses de lado. Vivamos o novo!

Romes Sousa

domingo, 10 de março de 2013

Pastor Marco Feliciano: O que são os direitos humanos?

Pastor e deputado federal pelo PSC Marco Feliciano
Um polêmico assunto tem circulado fortemente pela internet atualmente. O pastor evangélico e deputado federal pelo PSC, Sr. Marco Feliciano, acusado de crimes de homofobia, descriminação racial e religiosa, foi eleito, sob portas fechadas e intensos protestos, presidente da Comissão de Direitos Humanos. 
Considerando normal a ideia de que um lider religioso assuma a Comissão, advertimos que os protestos acusam crimes graves contra os direitos de expressão, conforme trateremos a seguir.
No ano de 2011, o deputado postou diversas vezes insultos contrários a cultura afro e aos movimentos homossexuais em sua página do twitter.  O político usufrui de seu conhecimento cristão para justificar suas bárbaras twittadas.

Acompanhemos alguns trechos a seguir:

"Sobre o continente africano repousa a maldição do paganismo, ocultismo, misérias, doenças oriundas de lá: ebola, Aids, fome... Etc"

"A podridão dos sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio, ao crime e à rejeição".

Analisando o primeiro trecho, vemos que o desconhecimento da cultura brasileira é, ao ver de qualquer cidadão meramente convicto de seus direitos e, entre estes enquadramos sacerdotes religiosos, algo inadimissível. Não pode uma pessoa presidir uma Comissão de Direitos Humanos sem que para isso tenha o mínimo de conhecimento histórico sobre a formação da cultura brasileira. Talvez o leitor esteja se perguntando: por que o autor deste post fala sobre desconhecimento de cultura? Porque esta é a única justificativa que o cidadão em questão pode postular para se livrar da acusação de crimes que infringem os direitos humanos.
Sobre o segundo trecho notamos que a homofobia é, quase sem oportunidade de questionar, o maior problema relacionado aos direitos humanos que o Brasil enfrenta atualmente. A barbárie urbana vem emergindo de uma população mal educada para lidar com a diferença. Se a má educação populacional atinge a Comissão dos Direitos Humanos não sabemos mais o que esperar do Brasil. Se o presidente da CDH é homofóbico, como pode ele repudiar comportamentos semelhantes?! Diríamos ainda mais: como pode um fiel cristão que prega o amor ao próximo preconizar o seu próprio povo?!
Em outro trecho que tem circulado pela internet, Marco Feliciano diz que trata os negros e homossexuais como pessoas normais. Vejamos só: ele os trata como pessoas normais. Ora, então para ele os negros e homossexuais não são pessoas normais? Tomando o trecho acima como apenas um equívoco na colocação da frase, notamos que mesmo assim se fazendo, o pregador segue sob graves denúncias. Denúncias estas que comprometem qualquer cidadão. Denúncias estas que comprometem muito mais uma liderança nacional.
Atualmente, temos notado que ao acessar a página do twitter do referido pastor notamos o compartilhamento de diversos avantes de fiéis evangélicos em posição de apoio ao político como quem apoia uma equipe de guerra em uma batalha. Notamos aí a imaturidade do eleito presidente. Teoricamente, ele, na posição de lider de uma comissão tão importante, não deveria ligar para pucuinhas postuladas por pessoas que o criticam, mas não é isso que acontece. O senhor em questão não só se importa com as críticas, como também as corresponde publicamente.

Observemos algumas declarações compartilhadas por Marco no twitter:

O Espírito Santo te fortalece. Bloqueia essa gente que invade a tua página! Gente que não entende o seu chamado.

perdeu a oportunidade de ficar calada hein, o pastor te defende e vc o acusa? vc está doida? perdeu a moral.
 
O que esta acontecendo com ? Virou progressista? Ou desconta sua mágoa ao governo? Ser contra não se explica. 
 
Postagem de um pastor
, Quem diria q Marina Silva representante do povo envangélico teria essa reação estava correto
 
Postagem do autor (Marco Feliciano)
Marina Silva questiona a nomeação de Feliciano e Rubens Teixeira rebate   

 
Texto extraído em: 10/03/2013, 21:12 (Brasília);
 
Vemos mais uma vez o quão despreparado está o pastor para exercer sua função. O que assusta é o fato de o pastor se vangloriar, no compartilhamento de uma postagem, da resposta de Rubens Teixeira, um apoiante seu, a Marina Silva. Os autores das twittadas anteriores simplesmente criticam aqueles que rejeitaram o pastor. Vejamos que o terceiro e o quarto faz imponderadas críticas a Marina Silva, que, pelo andar da carroagem do pensamento popular, deveria, simplesmente pelo fato de ser evangélica, apoiar o "pastor", esquecendo que antes de fiel de religião alguma, é uma cidadã e deve se portar como tal.
Agora simplesmente nós nos perguntamos: onde nossa sociedade está indo? Será que não nos igualamos aos regimes ditadores, no qual os defensores do socialismo estão a ditar compulsivamente as leis nacionais? A única diferença é que no Brasil o "defensor" dos direitos humanos se assumi homofóbio e intolerante num piscar de olhos. Será que assistiremos uma guerra ideológica numa comissão que deveria defender o contrário? Será que a intolerância religiosa está a se alastrar pelo Brasil? Onde fica o discurso do país livre? Onde fica o discurso do estado laico, da opção sexual individual? Quem defende este discurso? A resposta é fácil: os militantes, tendo em vista que os poderosos parecem defender cada vez mais bandeiras contrárias ao que se considera ético, correto e  sobretudo, cristão. 
 
Romes Sousa

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

A verdadeira face dos movimentos ecoambientalistas

Os Movimentos Ecoambientalistas são entidades virtuais ou físicas que visam a preservação do meio ambiente, se enquadrando nas ideologias ambientalista e/ou ecologista. Tais movimentos, quando associados a grandes companhias ambientais costumam desenrolar um grande amparo e atenção de meios de mídia, além de servir como ferramenta de atração para muitos jovens e adolescentes que veem  nas manifestações das organizações, oportunidades de se firmarem e auto-afirmarem na sociedade em que vivem, de manifestar sua rebeldia e insatisfação, assim como em outras ideologias, como o Comunismo, embora em grande parte dos casos, estes jovens não possuem tanta consciência do que querem. Ou seja, estão movidos por uma necessidade muito mais pessoal do que realmente ambiental, e é justamente aí que entra uma das principais manchas dos movimentos ecoambientalistas.
Por consequência do vigor juvenil, campanhas, projetos e ongs de defesa do meio ambiente foram associados por pesquisadores e leigos, em toda a história, com o anarquismo e filosofias afins. Não podemos deixar de observar também o que ocorre nos bastidores: muitas empresas em todo o mundo têm interesse em manchar os movimentos ecoambientalistas (como a tradicional Shell, que quer explorar petróleo no ártico). E o motivo? Sem ambientalismo não há campanhas de prevenção a crimes ambientais (que, "estranhamente", costuma ser o foco das empresas que combatem os movimentos ecologistas), se não há protestos, não há "rebeldia". Ou seja, quanto mais as pessoas acharem que ambientalismo/ecologismo são entidades radicais, fanáticas, que previlegiam mais a vida dos animais do que a do homem, melhor será para as tais "empresas de renome".
Representação da Deusa Gaia.
Sabemos, pelo mesmo motivo que apresentado no início desta postagem, que realmente, existem grupos radicais ambientalistas que chegam a tomar medidas bizarras e até mesmo adotar "princípios religiosos"* (como o culto à Gaia, praticado por certos ambientalistas) para preservar o meio ambiente. Mas são minorias. Em geral, os movimentos ambientalistas giram, direta ou indiretamente, próximo de grandes ongs, como o Greenpeace (organização à qual sou credenciado), o WWF, entre outros. Sabemos bem que as entidades citadas são sérias e têm bases ideológicas muito bem consolidadas e reafirmadas ao longo de suas histórias, o que mostra que realmente, existe uma excessão muito grande do extremismo ambiental.  

Para consolidarmos esta discussão, vamos fazer um parâmetro de mitos e verdades sobre o Movimento Ecoambientalista, sempre prezando pelo conceito de generalidade (excessões existem).

01- Os ambientalistas/ecologistas cultuam a Deusa Gaia. Mito! Esta foi uma farsa que, por causa das excessões, o movimento anti-ambientalista inventou. O ambientalismo/ecologismo jamais foi religião para cultuar deuses.

02- Os ambientalistas/ecologistas previlegiam a vida animal em relação à humana. Mito! Esta é uma característica de grupos extremistas. Verdadeiros ecologistas (principalmente os ecologistas) buscam e defendem com ênfase soluções realistas que conciliem desenvolvimento socioeconômico com preservação ambiental (sustentabilidade).

03- Os movimentos ambientalistas/ecologisas fazem de tudo para alcançarem seus objetivos, inclusive lutas armadas e mortes. Mito! Existem pouquíssimos grupos radicalistas que tomam atitudes como estas, mas, em geral (99% dos casos), os ambientalistas, principalmente os com ligação ao Greenpeace, são extremamente pacifistas.
04- Ambientalistas/ecologistas devem vegetarianos. Mito! Ser ou não vegetariano varia de pessoa para pessoa. Não é ser vegetariano que tornará alguém mais amante da natureza do que o outro.

05- Movimentos de proteção ambiental promovem manifestos em ruas e localidades públicas. Verdade! É característica marcante dos movimentos ambientais/ecologistas a promoção de eventos para manifestações públicas que defendam alguma causa, sejam em datas comemorativas ou não.

06- Ambientalismo e Ecologismo são a mesma coisa. Depende! Embora a afirmativa seja, em geral, falsa, ela se satisfaz muito na prática. Normalmente, por joguetes sujos de grupos anti-ambientalistas, definem, por convenção, que o ambientalista é o ecologista mais radical, o que vai para as ruas, protesta, e muitas vezes não raciocina as consequências de suas práticas. Em razão do termo "Ecologismo" ter surgido muito depois de "Ambientalismo", o primeiro está relacionado ao homem comum que busquem condições e ferramentas para promover uma vida boa tanto para o homem, quanto para o animal (vê-se por animal todo ser alheio ao homem), ou seja, o ecologista é, por convenção popular, mais voltado ao estudo, a pesquisa e a racionalidade. Porém, quando a questão é prática, o ambientalista sempre é ecologista e o ecologista sempre é ambientalista, embora alguns não queiram admitir. Assim, existem ambientalistas racionalistas e ecologistas radicais.

07- O ambientalista/ecologista não pode seguir outras ideologias. Mito! O cidadão ecologista ou ambientalista, como queira se denominar, é uma pessoa como qualquer uma outra, que tem liberdade de ação e preferência ideológica. Nada, a não ser fanáticos, impede uma pessoa de seguir ao mesmo tempo, por exemplo, socialismo e o ambientalismo. Prova disso são os partidos políticos que levantam a bandeira ambiental.

08- O ambientalista/ecologista tem que conhecer a natureza e entender Biologia. Mito!  O ecoambientalista tem, simplesmente, boas intenções para a preservação do meio ambiente. É um cidadão comum que apenas é movido por suas intenções. Nada o obriga a conhecer ciência alguma.

Pelo que vemos, a relação fanatismo, anarquismo e ecoambientalismo, não se traduz em realidade. Os ambientalistas ou ecologistas são simplesmente pessoas movidas de boas ações para a preservação ambiental. Infelizmente, precisamos nos deparar, ainda hoje, com movimentos fanáticos e radicais que não passam de excessão quando se fala em nossa filosofia. Continuemos trabalhando, pois de nada adianta fazer ciberativismo ou atitudes semelhantes sem preservar a vida dentro de nossas próprias casas.

* O objetivo da citação não é mal dizer as religiões que cultuam a natureza, apenas diferenciar ambientalismo/ecologismo de religião.

Romes Sousa

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Mudanças sociais: o comunismo não é para hoje

Não há dúvidas de que a ideologia real do Comunismo (marxista) tem pontos corretos, tendo em vista que buscam a reforma social, tendendo a uma democracia direta, no qual todos participem e se integrem ao convívio mútuo do poder. No entanto, devemos considerar que abdicar de um governo de uma hora para a outra tendo a real ilusão de que a sociedade proletária nossa, como está hoje, conseguiria comandar um país de forma igualitária é algo totalmente fora de cogitação. Não que o Comunismo se agregue ao que disse, mas a proposta dos atuais comunistas sim. Entendamos o porquê.
Inicialmente, para que a sociedade se torne realmente marxista é necessário que todos consigam conviver bem e desempenhar com perfeição suas habilidades. Para que isso ocorra, antes de tudo, é preciso transformar a educação, incluindo de forma bastante participativa valores morais e filosóficos nos currículos escolares. Ou seja, o estudante deve ser educado ao princípio da contribuição mútua, deve aprender a dar, entender que o ser é maior do que o ter, deixando de lado a convicção capitalista que praticamente toma o papel dos pais e educa as crianças na atualidade. Quando falo em valores filosóficos, digo que as crianças devem ser educadas para pensarem sua realidade, fazendo uma análise dos fenômenos a sua volta, se pondo a raciocinar para aí sim desenvolver os seus potenciais e receber da sociedade que o cerca, formado por indivíduos que também receberam uma educação de qualiade como a descrita, o amparo para o salutar desenvolvimento de suas habilidades íntimas, zelando para que estas contribuam para todo o meio social que o envolve.
Ou seja, para que a educação garanta uma futura sociedade socialista, será preciso uma reviravolta na forma de se educar, não apenas na escola, mas também em casa. Essa transformação demandaria, minimamente, três gerações, sendo a primeira para receber a educação escolar conforme descrito acima, a segunda para receber tanto a educação escolar, quanto parte da educação familiar dos pais e a terceira para tentar consolidar tudo. Aí sim poderíamos sonhar com a tão falada sociedade comunista, deixando sempre claro que o Comunismo que aqui falo é o ideológico e não o prático e ridículo exemplificado por diversas sociedades.
O principal problema que impede que qualquer tentativa de revolta comunista tenha sucesso é que 95% da classe trabalhadora atual em situação de proletariado são verdadeiros sanguessugas sociais, ou seja, sugam ideias alheias, tomando-as como sua. É o velho dito de que todo político é corrupto. Então, não adianta eu colocar o poder nas mãos dos "injustiçados trabalhadores", para que uma transformação se suceda no Brasil. Temos que ver que o proletariado atual é composto por pessoas, como já deu para notar quando disse sobre os sanguessugas, de potencial intelectual muito baixo, sem muito estudo e convicto de ideias que eles receberam e recebem da grande parte da sociedade atual. E tudo culpa de quê? Da educação que receberam, das antigas gerações que se preocuparam em formar "trabalhadores para as indústrias" do que verdadeiros cidadãos.
Ou seja, aí voltamos no mesmo lugar: hoje, nenhuma transformação social se consolidará. É tempo de plantarmos plantar ideias, criarmos projetos, mas se não mexermos na educação, não haverá revolução capaz de abalar essa sociedade. Chega da infantilidade que muitos revolucionários fanáticos alimentam de tentar assumir o poder a partir da força e da luta armada! Chega! É hora de olharmos para a frente. Essa ideia é do passado, já estamos no futuro. É preciso pensar novo. Nenhuma transformação conseguirá apoio social se não for pacífica e acolhedora de novos membros. Os que teimarem nos infantis ideais aqui descritos continuarão a ser tarjados, com justiça, de anarquistas e baderneiros.
A ideia de uma sociedade que coopere entre si, no qual todos, sem exceção, possam desenvolver seus potenciais serenamente, em que não será mais preciso a propriedade privada, pois todos se respeitarão e conhecerão os direitos alheios, é de hoje, mas não é para hoje. Podemos pensar, mas infelizmente, não podemos transformar com radicalidade nossa sociedade da forma que muitos defendem. Chegou a hora de diplomacia e não de bagunça. Chegou a hora de formarmos pensadores e não fanáticos. Que tenhamos a certeza de que podemos sonhar e realizar os nossos sonhos, mas que para isso, é preciso acordar e saber correr atrás do que queremos.  E que acima de qualquer ideologia de futuro, tenhamos a consciência de que existe apenas um elemento seguramente guardião de ideias e revolucionário do futuro: a educação.

Romes Sousa

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

A importância da educação na consolidação da nova política

Certamente, a construção de uma nova visão da política pode e deve começar hoje, com ativistas e partidários que visam esta proposta porém, a tão falada reforma política só poderá honrar o nome "reforma" em um prazo de tempo maior, ou seja, será preciso mobilizar as novas gerações para que criem uma nova política, caso contrário, o iniciado hoje não passará de mais um movimento que, embora com boas intenções, fracassou ao passar dos anos.
Conclui-se logo que precisaremos repensar também a forma de se educar. Inicialmente, devemos parar de pensar que a educação é feita para se jogar cada vez mais informações na cabeça do indivíduo e depois garantir estatísticas favoráveis ao governo em questão. Tenho certa admiração pelos escritos de Augusto Cury que, para aqueles que não o conhecem, é um psiquiatra e pesquisador em Psicologia conceituado mundo a fora, criador da teoria da Inteligência Multifocal. O escritor diz que a mente é uma máquina muito mais poderosa do que qualquer computador e que não pode ser usada para guardar informações como o mesmo computador que já referi. A mente não serve para guardar informações inúteis, mas sim para pensar as informações a cerca do ambiente e é assim que devemos encarar nossa educação, de forma a criar indivíduos que, antes de precisarem decorar fórmulas, aprendam a pensar e a raciocinar logicamente sobre a realidade que está em sua volta. 
A questão do pensar estimulará o indivíduo (criança) a formular teorias, raciocinar o mundo, e, sobretudo, ver o capitalismo ridículo que nos cerca, com outros olhos, aprendendo a desmascaram as falsas informações passadas pela imprensa, aprendendo a saber que o melhor não é o que tem mais dinheiro ou o mais bonito, aprender a olhar outros valores que não sejam os mais pregados atualmente, em resumo, ter lições relativas ao "pulo do gato", que é analisar tudo a sua volta não como um fanático ridículo e radical, mas como um verdadeiro cidadão.
Porém, não nos ilusamos que para este verdadeiro vendaval atingir a nossa educação, será preciso que os movimentos novos de reforma política que realmente estejam fazendo por onde merecer este nome, ganhem força e recebam respeito dos atuais "poderosos". Não queremos radicalismo e pouca prática, como certas entidades partidárias teimam em fazer, mas sim, um novo Brasil que, acima de tudo, tenha pensamento e ação!

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Política Ideal: como deveria ser?

Sabemos que grande parte da população brasileira não gosta de ouvir falar o termo política. Atualmente, esta se relaciona profundamente com assuntos socialmente degradantes, como a corrupção, a desonestidade, a troca de favores, a busca incontínua e avassaladora pelo poder, etc. 
No entanto, questão faço de descordar com os princípios que seguem a política atual. Não que a minha discórdia esteja baseada na observação da atualidade, mas sim no real sentido que deveria ter a política. Esta, aliás, que já devia, há tempos, ter passado por grandes mudanças em diversas atitudes. Inicialmente, a política deveria ser um instrumento de benefício da sociedade, mas na atualidade parece mais ser a dona da sociedade. A política deveria estar associada ao auxílio social em TODAS as épocas e não somente quando se está no poder.  Deveria "por a mão na massa" e cumprir o que prometem sem que para isso fosse preciso esbanjar algum cargo.
A política sinceramente precisaria ser uma entidade sem fins lucrativos (o que só na teoria de nada adiantaria). O político deveria ter total ciência de que realmente é um mero represente da sociedade, o que parece não existir. Se representa a sociedade, deveria saber que, como já disse, o social não se mantém apenas em épocas eleitorais ou governamentais, que o cargo que ele está ocupando não é seu, mas sim e literalmente, do povo. Deveria esquecer por alguns segundos suas ideologias e filosofias pessoais e lembrar que antes de querer mandar ou projetar ideias, deveria ouvir a população, que antes de pensar em lucrar com o poder, deveria representar, sem diferenças, todos os que não estão na cadeira. E é justamente por este motivo que defendo uma política totalmente livre de fins lucrativos, no qual toda a qualquer verba que entrasse no partido fosse destinada a ações sociais que, aliás, como já sugeri, deviam ser cotidiano de todo partido político. O fim dos lucros individuais dos partidos representaria um país no qual quem se atrevesse a ocupar a cadeira política, lá fosse por, além dos méritos, que mais em baixo dissertarei, mas por AMOR a sua sociedade. 
Os cargos não deveriam ser disputados com base no futuro, mas sim, na construção de um passado. O político não deveria prometer e prometer coisas que, em muitas vezes, não vá cumprir, deveria, ao invés disso, mostrar o porque tem o DIREITO de ocupar aquela cadeira, representando a sociedade. O político não poderia ser o que mais tem dinheiro, ou o grande empresário da cidade, precisaria ser a REFERÊNCIA social, mas para que isso ocorresse, precisaríamos banir princípios capitalistas que dizem que a referência está ao lado do dinheiro, os partidos políticos deveriam ser doutrinas com valores próprios que não visassem o poder, mas que, como movimentos não governamentais, visassem a boa evolução da sociedade como um todo, zelando, pelo social e não pelo individual, se aliando em totalidade e não competindo por mandatos.
Voltando aos ditos sofre a ausência individual de lucro nos partidos, ressalto que se houvesse respeito e organização, não precisaríamos de propagandas eleitorais como as de hoje. Não precisaríamos de barulheira, bagunça ou rivalidade, precisaríamos apenas que cada candidato apresentasse, em horário destinado as suas ideias e o porque merece ocupar a carreira.
Todos os políticos deveriam ser também obrigados verdadeiramente a estarem participando de programas de auxílio social, podendo assim estar ao lado do próprio partido nesta empreitada, provando que sua liderança se construiu e não foi imposta.
Tudo o que disse hoje parece fuga da realidade. Realmente é. É porque para apreciarmos transformações como as que citei, precisaríamos antes de tudo de reformular a nossa sociedade, reformular as ideias das crianças, o nosso grande futuro. Enquanto as escolas, a televisão, os clubes de futebol, ensinarem que é melhor estar mandando,  não só a nossa política, mas a nossa sociedade será o que é. 
Tenho, no entanto, a grande convicção de que esta era da política suja se findará brevemente. Tenho, como princípio ideológico e racional, que num futuro breve (cujo período de tempo fica a convicção de cada um), os valores morais estarão mais ativos do que os valores financeiros. E digo mais, proponho que, daqui alguns anos, mesmo que demore, a ação social não será mais necessária porque realmente todos se equivalerão e já não mais será preciso o pronuncio de dissonâncias ricos e pobres.

"O que persigo não é o que está hoje, mas sim, o que estará amanhã."

Romes Sousa

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Informação

Passarei a publicar os contos em uma página do site Recanto das Letras.

Para acessá-los, deixo aqui o meu link: www.recantodasletras.com.br/autores/romessousa.

Obrigado a todos os leitores.