quarta-feira, 27 de junho de 2012

Álvares de Azevedo: A mente preciosa que desejava morrer

Escrever sobre Álvares de Azevedo é falar não apenas de um grande escritor, de um marco para o Romantismo brasileiro, mas sim de um literato eterno que cresceu um sentimento jamais visto em outros períodos da humanidade.
O desejo de morrer é fator claro e marcante deste escritor, que tão cedo se vê com tantas decepções na vida cotidiana, a falta de um verdadeiro romance, os amores não correspondidos. Logo Azevedo se tornou presa fácil para uma profunda depressão. Depressão ao menos a nível mental, expressa em riquíssimos poemas.
Para Álvares, a literatura foi ombro para chorar, psicólogo íntimo e pessoal, que satisfazia seus desejos e expressava toda sua dor, toda a sua aparentemente estranha vontade de morrer para fugir do desdenho da exclusão e desilusão amorosa.
Para um gênio como Álvares de Azevedo todo comentário é pouco. A história fala por si só, ou melhor dizendo, os poemas ganham voz e nos levam ao encontro de uma das mentes mais preciosas da humanidade.

Embarque conosco nesta incrível viagem pela análise de alguns poemas de um dos maiores romantistas brasileiros.

* Logo postarei a análise de alguns dos poemas de Azevedo.

Romes Sousa

Nenhum comentário: