quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Túlio Isac é reflexo perfeito da educação pública de Goiás


Nesta última semana, mais uma polêmica mexeu com usuários de redes sociais, educadores e alunos. 
É que o "excelente" e "intelectualizado" deputado estadual de Goiás, senhor Túlio Isac, fez uma crítica no mínimo infeliz aos profissionais de educação.
Ao questionar o manifesto, que pedia, entre outras coisas, reformas no piso salarial, o deputado criticou os professores alegando que a palavra exigimos se escreve com a letra "j" no lugar do "g", como pode ser conferido no vídeo ao lado.
Os educadores afirmam também que o político teria cometido um ato preconceituoso contra um professor que tinha o cabelo grande.
Esta é, sem dúvidas, mais uma polêmica que gera em torno do ridículo governo de Marconi Perillo em Goiás. O tucano vem decepcionando não só na área da educação, mas sim em uma outra área prioritária, como a saúde.
A população goiana está mais do que acostumada a ligar o noticiário e assistir a mais um escândalo referente ao governo Marconi.
Motivos do desacordo com o governo que apresento para justificar minha opinião, que por coincidência, se iguala a grande maioria da população é: todos sabem que o HUGO, Hospital de Urgências de Goiânia está caindo aos pedaços, médicos e enfermeiros já revelaram a pejorativa situação em que a casa médica se encontra. Só ressalto que a grande parte dos grandes hospitais públicos de Goiás são de responsabilidade do governo. Quanto a educação, não é necessário falar nada, o vídeo mostra tudo. A educação pública goiana está tão ruim que até os políticos acabam sendo atingidos pela peste da ignorância. O caro secretário  Thiago Peixoto traça metas para 2012, publica bons textos em seu blog e é criticado por 90% dos educadores de Goiás. 
Pelo que vejo, o governo prometido por Marconi como sendo o melhor de sua carreira vai se tornando o oposto e, se serve de consolo para o deputado Túlio Isac, erros acontecem, são aceitáveis, mas, caem bem mal na grande maioria das situações. Porém, ele deve ser compreendido como mais uma "vítima" da educação pública goiana. Coitadinho!

Romes Sousa

domingo, 22 de janeiro de 2012

Uma crítica aos "críticos"

Uma das maiores pobrezas atuais quando se fala em educação é dizer: Nossa, eu tenho um aluno muito crítico. No entanto, observe a crítica do estudante: "Meu Deus, todo político é corrupto e vagabundo". Qual é o fundamento? Porque? É uma crítica com sentido? Creio que não precise responder.
Ser crítico não é exibir frases superficiais sem significado algum. A crítica é a interpretação de algo, seja ele o que for. 
Dizer apenas que alguém é bom ou ruim em algo é, em grande maioria das vezes, reflexo de um pensamento social contínuo. Exemplo: um cantor bonito desponta e começa a fazer sucesso com as mulheres, logo em seguida, a população masculina tem a tendência, por uma formação psicológica (resultante da sociedade em que se encontra), de julgar este cantor como gay e outras coisas mais. Isso jamais fundamenta uma crítica, é apenas uma opinião que deve ser descartada por todos, pois, em grande maioria das vezes, partem de pessoas sem cultura, sem o menor nível intelectual e que refletem o potencial filosófico da sociedade brasileira.
A crítica bem sucedida deve conter fundamentos que a fundamentem. Não basta apenas dizer se algo ou alguém é bom, ruim, ótimo ou ridículo, deve se justificar, ou seja, explicar o porque da opinião.
É bom ressaltar que uma boa crítica requer conhecimento sobre o assunto. Toda crítica é uma opinião, mas nem toda opinião é uma crítica. 
Para formar um estudante verdadeiramente crítico é necessário criar no mesmo um instinto intelectual que o leve a pensar e analisar uma situação antes de usar frases hipócritas e já manchadas socialmente. O que quero dizer é: antes de impor dogmas e conceitos é necessário fazer o indivíduo pensar, refletir sobre algo. Imposições caem com facilidade, basta uma opinião mais apurada. Pensamentos e opiniões já não perdem foco com tanta banalidade. 
Um forte exemplo que podemos citar é a religião: décadas atrás, o Brasil tinha uma população muito maior de católicos. Os pais que seguiam o catolicismo passavam os conceitos adiante, como imposições á seus filhos. Porém, hoje a população católica do Brasil caiu significativamente pois todos ampliam seus pensamentos e não seguem mais dogmas (com todo o respeito á Igreja Católica Apostólica Romana).
Uma boa crítica deve ser formado a partir de um pensamento e não de uma frase preconcebida. Neste blog, convido o (a) leitor (a) a refletir sobre questões ativas na sociedade brasileira e mundial. 
O problema da baixa crítica está presente em enorme parte das escolas de nosso país. Isso significa que ao invés de ensinar o aprendiz a refletir sobre os dilemas sociais, ideias atrasadas são colocadas como certas, um grande problema de milhões de maus pedagogos que existem por aí. Ensinar a pensar é um ponto primordial para a formação de uma boa crítica, pena que o pensamento e a filosofia incomodem tanto aos poderosos do Brasil. 
Televisão e internet são grandes ferramentas de manipulação de opinião. É lógico que são meios de comunicação altamente importantes, mas, antes de impor opinião sobre política, economia, esportes etc, é bom criar uma filosofia que justifique tudo o se diz.
Mas uma vez repito, não quero robôs que seguem este blog e aceitam tudo o que escrever. Esta página é feita para pensadores e questionadores da sociedade, aliás, o que temos muito pouco.

Romes Sousa

sábado, 21 de janeiro de 2012

Teoria do desenvolvimento psicossocial de Erickson: modelo de perfeição social?

A Teoria do desenvolvimento psicossocial proposta por Erick Erickson diz que o crescimento psicológico ocorre através de estágios, não ocorre ao acaso pois depende da interação do meio. 
Erickson diz que cada estágio de desenvolvimento é atravessado por uma crise psicossocial entre grupos positivos e negativos. É fato que os dois grupos, ou vertentes são importantes, porém é necessário que o positivo se sobrepunha, pois a forma com que cada estágio é enfrentado influenciará na forma com que o indivíduo tratará as situações de seu futuro. Isso cai no ponto que tanto prego, a sociedade influencia na personalidade da criança. 
A teoria de Erick é baseada em oito etapas.
Essas são:
1º - Período de confiança e desconfiança: A criança adquire ou não confiança em si e no mundo que o rodeia. O QUE DEPENDE DA RELAÇÃO MANTIDA COM A MÃE. Isso implica em que: se a mãe tratar a criança com amor, mas não corresponder ás suas espectativas, a criança pode desenvolver medos e fobias. Já se a criança tiver suas necessidades aceitas, terá melhor capacidade de lidar com seus problemas futuros. Este período ocorre dos 0 aos 18 meses.
2º - Período da autonomia, dúvida e vergonha: Marcado por uma grande contradição entre as vontades da criança e as imposições de modo de agir da sociedade que o cerca. A criança busca independência. É FUNDAMENTAL DAR APOIO E EDUCAÇÃO Á CRIANÇA, ALÉM DE DOMAR E FORMAR SEU SENSO CRÍTICO. Período dos 18 meses até, aproximadamente, os 3 anos.
3º - Período de iniciativa e culpa: É basicamente um período do estágio anterior, a diferença é que a criança começa a ter consciência formada do que é certo e errado, começa a adquirir domínio em alguns aspectos, como brincadeiras em grupo etc. O INCENTIVO É PRIMORDIAL: DEVE-SE ESTIMULAR A CRIANÇA A ADQUIRIR PERSONALIDADE PRÓPRIA, A SER O QUE QUER (desde que esteja dentro de um comportamento socialmente correto). É marco que a criança busca a aceitação dos adultos de suas atividades, por isso, reforço, deve receber apoio sobre o que é certo. Uma dúvida chave que deve ser modelada é quando ao ser bom ou mal. Um estágio fundamental para a construção de um caráter. Vai dos 3 aos 6 anos.
4º - Período indústria e inferioridade: Afinal, estamos falando de educação ou indústria? Acalme-se. Nesta fase, a criança fará de tudo para sentir integrada a sociedade e competente em tudo o que fizer. É IMPORTANTE O APOIO FAMILIAR Á CRIANÇA QUANDO A QUESTÃO É COMPETÊNCIA E INICIATIVA. Deve-se olhar com outros olhos para esta idade, é um período em que a família não deve restringir apoios, pelo contrário, deve incentivar á criança em seus objetivos e escolhas. Pais, por favor, não debochem seus filhos, a personalidade é formação contínua, incentivem. Decorre dos 6 aos 12 anos.
5º - Período de confusões na identidade: É neste instante que se adquire identidade psicossocial. O adolescente começa a questionar todos os princípios sociais que o rodeia. Tudo o que lhe foi passado é colocado em questão. É necessário apoio familiar para que os laços anteriores sejam mantidos. Este período ocorre durante a adolescência.


Os outros períodos não entram nesta discussão pois falamos de educação, crianças e adolescentes.

Sim. Respondendo á pergunta do título. A Teoria do desenvolvimento psicossocial de Erickson pode ser considerado um modelo perfeito. O que importa é: nem só a família deve interferir na educação em busca de uma sociedade perfeita. A formação da personalidade deve ser contínua. É sempre bom ressaltar que todo o meio influência o psique da criança. Educadores e família devem ao menos tentar dar uma educação diferenciada ao pequeno. Como já disse em outros posts, a personalidade bem modelada é fundamental para se criar um Brasil melhor. O que escrevo aqui não é um discurso filosófico, mas sim uma verdade. Os motivos foram apresentados anteriormente. Sem via de dúvidas, a formação de uma personalidade legal acarreta na criação de uma maior maturidade e senso crítico real.

A personalidade da criança é como uma massa de bolo, deve ser modelada por todos que a cercam.

Romes Sousa

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Aspectos principais para uma mudança e formação psicossocial

O Brasil é um país que precisa imediatamente de uma mudança psicossocial. Mas, o que seria esta mudança psicossocial? Quando digo mudança psicossocial, quero dizer que, primeiramente, antes de se buscar transformações na sociedade brasileira, é necessário mudar a personalidade do povo brasileiro. O que fica mais claro na postagem anterior intitulada de "Relação personalidade, educação e desigualdade social". No entanto, como ocasionar esta mudança?

1º - ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL É FUNDAMENTAL: A Psicologia nos ensina que o meio em que se vive influência na personalidade. Quando criança, é muito mais fácil mudar a personalidade. Como deve ser esta escola modelo: no período matutino, a criança teria aulas de disciplinas básicas, mas que o estimulasse acima de tudo a PENSAR VERDADEIRAMENTE. No período vespertino, o estudante ficaria em alguma oficina que ele escolhesse, mas, de verdade, não estou falando dessas oficinas que já existem por aí. Quero dizer o seguinte: Deve existir nas escolas, centros próprios para o ensino das Artes e das Ciências. Exemplo: um aluno gosta muito de cantar, tem talento para a música, quer mesmo aprender música (esta vontade se adquire, na maioria dos casos com a formação gradual de uma personalidade diferente, o que é preciso fazer é INCENTIVAR) então, esta criança será dirigida para um centro de ensino musical. Ficará cinco, seis horas estudando música, mesclando teoria e prática, porém, incentivando muito a cada instante o aluno (repetindo, para que isso ocorra, uma personalidade arcaica deve ser alterada).

2º - QUALIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: Para que esta transformação ocorra, precisamos de ter educadores excelentes. O professor terá um papel fulminante nessa formação, será sua responsabilidade criar uma nova personalidade, criar pessoas diferentes. É papel do educador formar novas crianças, formar um Brasil melhor e isso se dá com exemplos e qualificações.

3º - A CRIANÇA DEVE SER ESTIMULADA A PENSAR: Refletir, isso gerará uma mudança imensa na personalidade. Significa a criação de um real senso crítico. De saber olhar e refletir sobre as situações do seu país e do mundo, é não aceitar imposições, mas saber pensar por si mesmo, é realmente ter personalidade própria. É um dos aspectos principais na mudança psicossocial.

4º - INCENTIVO: A criança deve ser incentivada a cada dia nos centros de educação artísticas e tecnológicas. Deve ter suas virtudes reconhecidas e seus erros mostrados afim de evoluir. Este é um dos motivos principais da qualificação dos educadores. Incentivar é saber reconhecer que por trás daquela criança que deseja se tornar um artista, ou seja lá o que for, existe uma criança que está sujeita a acertos e a erros. Todos os direitos de mudança de atividade devem ser abordados, a criança precisa FAZER O QUE GOSTA e ser incentivada nisso.

- Com relação aos investimentos: Investimentos faltam? Não. O povo brasileiro gera milhões de impostos por dia. O que é preciso é um maior e mais acíduo INVESTIMENTO NA EDUCAÇÃO E NAS CRIANÇAS. O Brasil deve ter a educação como prioridade extrema, e não é apenas a educação básica, mas o incentivo ao talento, o apoio á criança. 

- Com relação á escolha: Citei neste texto a escolha e o incentivo em uma atividade extra-curricular. A escolha da criança deve ser respeitada e preservada. Repito, deve-se fazer o que gosta. Só assim se fará bem feito.

- Preparação: Muitos podem criticar o que disse dizendo que a criança não está preparada para fazer uma escolha, ou que sua mente não aguentaria estudar o dia todo. Como disse, a criança deve ter direito á escolha e fazer o que gosta. Escolher o que quer fazer é um direito dela. Uma melhor escolha vem de uma melhor formação da personalidade. 

O assunto é polêmico, alguns concordam, outros descordam, continuarei postando sobre isso e se quiser entrar em contato, o e-mail é: romesbittencourtsousa@hotmail.com.

Romes Sousa

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Relação personalidade, educação e desigualdade social

Um dos maiores problemas que afetam países subdesenvolvidos, como o Brasil, é a desigualdade social. 
O Brasil é como uma moeda. Olhando por um lado, você vê um Brasil rico, desenvolvido e com grande potencial turístico. No entanto, ao se analisar o outro lado da meda, você encontra um país pobre, subdesenvolvido e com um nível socioeconômico e cultural baixíssimo. 
É nítido que cada uma das visões apresentadas acima terá personalidades, mentalidades contraditórias. 
Personalidade é o caráter essencial e exclusivo de um indivíduo, no caso, se aplica a um grupo de pessoas. Toda personalidade é formada a partir de aspectos culturais, históricos e sociais. Simplificando, toda pessoa tem sua personalidade afetada por tudo o que está a sua volta, pela sociedade que o cerca. Está aí uma das explicações de porque é tão difícil acabar com a desigualdade social no Brasil.
Afinal, um grupo social com hábitos ruins, gerará uma nova sociedade que será afetada pelos hábitos antigos. 
A desigualdade social vai gerar dois grupos biologicamente iguais, mas psicologicamente diferentes. 
O primeiro grupo, formado pelas classes econômicas altas apresentará um nível intelectual que o diferencia do segundo grupo, formado pelas classes menos favorecidas.
As classes altas terão sempre uma visão do mundo bastante ampla. O trabalho, o estudo e a cultura são diretrizes do seu desenvolvimento. Têm objetivos e perspectivas bem grandes. Formam um grupo cêntrico, que estará sempre no centro de uma sociedade dividida. Ou seja, tudo o que acontece nesta sociedade, gira em torno deste grupo.
Já as classes baixas apresentam uma visão arcaica do mundo. Seu principal objetivo é a busca por dinheiro. Este grupo se contenta em ser a periferia e satisfazer o interesse da primeira classe. É sempre assim, ocorre em qualquer sociedade, para se ter noção, estou falando do Brasil, mas, no mundo, a divisão desenvolvido e subdesenvolvido leva em conta aspectos como esses.
Assim sendo, está na educação a responsabilidade de mudar os pensamentos arcaicos apresentados pela grande maioria da sociedade brasileira. 
Na maioria dos casos, apenas a escola e a família podem influenciar a personalidade da criança, futuro do país, afim de mudar tudo o que foi dito em relação ao grupo pobre da sociedade. A educação deve ser responsável por ampliar os horizontes dos alundos, criar neles um pensamento de grandeza. Logo que mudarmos a personalidade social vigente no Brasil, o que levará tempo, teremos uma facilidade muito maior em resolver problemas sociais e fazer de nosso país um lugar muito melhor e mais justo.
Cursos de formação rápida promovidos pelo governo servem apenas para gerar estatísticas que diminuirão a pobreza financeira, mas não diminuirão e muito menos solucionarão os tormentos da sociedade.
Cursos como os já mensionados e cotas universitárias servem apenas para mascar o desastre em que se encontra a educação pública brasileira.
O que nós precisamos não é de estatísticas que apontam geração de renda, mas sim de mudanças na personalidade da sociedade brasileira. O único problema é que os "grandes" não estão interessados que isso ocorra.

Romes Sousa

sábado, 7 de janeiro de 2012

Globo decepciona em novelas

Já faziam anos que a Rede Globo não lançada novelas tão ruins como as que estão no ar. Começando pela Malhação, que tinha como enredo "Está tudo conectado", que foi escrito por Ingrid Zavarezzi. Conectado é algo que, realmente esta edição da Malhação não está! A história circula apenas por alguns personagens, que são basicamente, Babi, Gabriel, Aléxia e Cristal. Esta edição não apresenta uma história, apresenta apenas um conjunto de acontecimentos sem um objetivo a ser atingido. A história, que deveria envolver paranormalidade, teve seu caso principal solucionado logo no início e depois, o que restou foi apenas casos amorosos que não prendem em nada a atenção do telespectador.

Outra novela que também não convence é "Aquele Beijo", escrita por Miguel Falabella, que dessa vez, ficou devendo. Diferentemente da Malhação, não havia nada a se esperar da novela. Não existe uma história que cative, não existem crianças, a única coisa que salva é a parte de comédia, apresentada por "Mãe Iara". 

A trama "Fina Estampa" está em comum acordo com as outras aqui apresentadas. A história se concentra na briga entre Tereza Cristina e Griselda e o único mistério que atrai o telespectador é o segredo de Tereza Cristina.

Talvez a única novela que esteja salvando é "A Vida da Gente", que apresenta uma história tranquila e sem grandes vilões, adequada ao horário das 18:00. A história da novela é muito bonita. A melhor, em minha opinião, das tramas que a Rede Globo apresenta.

Com toda certeza, a Rede Globo parece ter se esquecido da importância de uma audiência nos últimos meses, a emissora está utilizando programas de temporada apenas para cumprir horários e, além disso, os filmes apresentados no período vespertino são antigos. Mas, nada que abale a grande soberania que a emissora mantém sobre as outras emissoras.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Profissionalismo na Parapsicologia: Será pedir muito?

Gostaria de saber da maioria dos "parapsicólogos" que existem por aí: O que é Parapsicologia? É uma brincadeira? É uma religião? É uma futilidade?
Não! Parapsicologia é uma ciência, ciência oficial desde 1953 e enganado é aquele que diga que isto não é verdade! Já vi em vários sites pessoas dizerem que a Parapsicologia é uma falsa ciência, com este pensamento, só me resta deduzir que estes são desenformados e escrevem se pensar. 
Porém, esta realidade de futilidade, religião e brincadeira é o que infelizmente, está presente dentro do contexto da Parapsicologia atualmente. Existem milhões de "parapsicólogos" no Brasil. Mas, quantos têm curso de formação? 1000? 2000? Para mim, se a pessoa se diz "parapsicólogo", deve ter um curso de formação nesta área. 
Desde que a ABRAP (Associação Brasileira de Parapsicologia) parou de funcionar, esta ciência vem virando uma grande bagunça em todo o Brasil. Hoje existem vários dirigentes de igrejas que se dizem parapsicólogos, como uma forma de tornar real os dogmas de sua religião. Cadê o controle sobre isso? Até quando irão deixar usar o nome "parapsicologia" para fins religiosos? 
Infelizmente, dentro da Parapsicologia moderna surgiram vários sistemas de pesquisas e várias "mini-religiões", que criam conceitos próprios, fazem pesquisas próprias e criam dizeres próprios dentro da Parapsicologia. 
Um dia destes estava lendo na internet, e uma pessoa disse: Meu parapsicólogo disse que minha aura é alguma coisa (não me lembro o quê). Agora eu me pergunto: Que parapsicólogo é este? Meu Deus, para a ciência oficial, ainda não foi comprovada a existência da aura, como uma pessoa pode dar um diagnóstico destes afirmando ser parapsicólogo?
Como é que uma pessoa pode fazer terapia de vidas passadas dizendo que isto faz parte da Parapsicologia? Eu peço que, por favor, não confundam Parapsicologia com crendices. 

PARAPSICOLOGIA É A CIÊNCIA QUE ESTUDA EVIDÊNCIAS DE FENÔMENOS PARANORMAIS, NÃO AFIRMA QUE EXISTEM FENÔMENOS PARANORMAIS, ESTUDAM SUAS EVIDÊNCIAS.

Deveriam criar uma associação que regulasse a profissão no Brasil e descrevesse o que é certo e o que é errado. Nós estamos falando de uma ciência, não de uma religião. Teoricamente, só deveria ser parapsicólogo quem tivesse o curso de formação, mas sabemos que não é bem assim. Só concluindo: